Um cidadão entrou num restaurante e pediu ovos cozidos. O velhaco dono apresentou-lhe uma conta de cinco moedas de prata. O cidadão protestou que aquela conta era um absurdo.
“Se eu tivesse guardado esses ovos para as galinhas chocarem, teriam se transformado em frangos”, disse o dono do restaurante. “E sua prole, e a prole de sua prole, e a prole da prole de sua prole teriam produzido milhões de ovos, valendo muito mais que cinco moedas. Os ovos lhe saíram baratos.”
O Mestre era o juiz local, e foi a quem o cidadão apresentou a queixa. O dono do restaurante teve de ir também, para que pudesse se defender. Nessa época, o Mestre resolvia os casos em casa, pois dizia que, “na vida, a justiça sempre aparece.”.
Assim que ouviu ambos os argumentos, o Mestre cozinhou um punhado de milho. Então, deixou que esfriasse um pouco e, colherada por colherada, plantou-o no seu jardim.
“Que raio de coisa você está fazendo?”, ambos perguntaram.
“Plantando milho, que dessa maneira se multiplicará.”, disse o Mestre.
“Desde quando alguma coisa que foi cozida poderia multiplicar-se dessa forma?”, bradou o dono do restaurante.
“Esta é a sentença desse tribunal!”, disse o Mestre.
“A vocês dois, um bom dia.”

agosto 26, 2010

A multiplicação impossível

Um cidadão entrou num restaurante e pediu ovos cozidos. O velhaco dono apresentou-lhe uma conta de cinco moedas de prata. O cidadão protestou que aquela conta […]
agosto 19, 2010

Buda suprirá

– O Buda Suprirá! – dizia o Mestre certo dia a um homem que se queixava de alguém lhe ter roubado um dinheiro guardado em casa. […]
agosto 12, 2010

Assim é a vida

Certo dia, disse o Mestre a si mesmo: “Algumas pessoas estão mortas mesmo parecendo estar vivas. Da mesma forma, outras estão vivas apesar de parecerem mortas. […]
agosto 5, 2010

Poderia ser verdade

O Mestre caminhava pela rua, absorto em seus pensamentos, quando, de repente, alguns pirralhos começaram a atirar pedras nele. – Não façam isso, e eu lhes […]

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

Um cidadão entrou num restaurante e pediu ovos cozidos. O velhaco dono apresentou-lhe uma conta de cinco moedas de prata. O cidadão protestou que aquela conta era um absurdo.
“Se eu tivesse guardado esses ovos para as galinhas chocarem, teriam se transformado em frangos”, disse o dono do restaurante. “E sua prole, e a prole de sua prole, e a prole da prole de sua prole teriam produzido milhões de ovos, valendo muito mais que cinco moedas. Os ovos lhe saíram baratos.”
O Mestre era o juiz local, e foi a quem o cidadão apresentou a queixa. O dono do restaurante teve de ir também, para que pudesse se defender. Nessa época, o Mestre resolvia os casos em casa, pois dizia que, “na vida, a justiça sempre aparece.”.
Assim que ouviu ambos os argumentos, o Mestre cozinhou um punhado de milho. Então, deixou que esfriasse um pouco e, colherada por colherada, plantou-o no seu jardim.
“Que raio de coisa você está fazendo?”, ambos perguntaram.
“Plantando milho, que dessa maneira se multiplicará.”, disse o Mestre.
“Desde quando alguma coisa que foi cozida poderia multiplicar-se dessa forma?”, bradou o dono do restaurante.
“Esta é a sentença desse tribunal!”, disse o Mestre.
“A vocês dois, um bom dia.”