Um Fazendeiro pediu a um sacerdote que recitasse sutras para sua esposa, que havia morrido. Terminada a recitação, o fazendeiro perguntou: “Você acha que minha esposa obterá mérito disto?”
“Não apenas sua esposa, mas todos os seres sencientes se beneficiarão”, disse o fazendeiro, ”minha esposa poderá ficar muito fraca e outros tirarão vantagem dela, obtendo o benefício que deveria ser dela. Assim, por favor, recite os sutras apenas para ela.”
O sacerdote explicou quer era o desejo de um budista oferecer bênçãos e desejar mérito para cada ser vivo.
“Este é um belo ensinamento”, concluiu o fazendeiro, “mas, por favor, faça uma exceção. Eu tenho um vizinho que é grosso e mesquinho para comigo. Apenas exclua-o de todos aqueles seres sencientes.”

fevereiro 26, 2015

Recitando os Sutras

Um Fazendeiro pediu a um sacerdote que recitasse sutras para sua esposa, que havia morrido. Terminada a recitação, o fazendeiro perguntou: “Você acha que minha esposa […]
fevereiro 19, 2015

Obediência

As Palestras do Mestre eram assistidas não apenas por estudantes de Zen, mas por pessoas de todas as classes sociais e de todas as seitas. Ele […]
fevereiro 12, 2015

O Imperador

O Imperador chegou certa vez a uma lagoa e parou para ver seu reflexo nas águas paradas. – Este reflexo sou eu? – perguntou a seu […]
fevereiro 5, 2015

O Vinagre do Mestre

Um Mestre Zen que deixou o formalismo dos templos para viver debaixo de uma ponte com mendigos. Quando estava ficando muito velho, um amigo o ajudou […]

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

Um Fazendeiro pediu a um sacerdote que recitasse sutras para sua esposa, que havia morrido. Terminada a recitação, o fazendeiro perguntou: “Você acha que minha esposa obterá mérito disto?”
“Não apenas sua esposa, mas todos os seres sencientes se beneficiarão”, disse o fazendeiro, ”minha esposa poderá ficar muito fraca e outros tirarão vantagem dela, obtendo o benefício que deveria ser dela. Assim, por favor, recite os sutras apenas para ela.”
O sacerdote explicou quer era o desejo de um budista oferecer bênçãos e desejar mérito para cada ser vivo.
“Este é um belo ensinamento”, concluiu o fazendeiro, “mas, por favor, faça uma exceção. Eu tenho um vizinho que é grosso e mesquinho para comigo. Apenas exclua-o de todos aqueles seres sencientes.”