Em Tóquio, no período Meiji, viviam dois destacados instrutores com características opostas. Um deles, Usho, seguia os preceitos do Buda escrupulosamente. Ele nunca bebia bebidas alcoólicas nem comia após as onze horas da manhã. O outro instrutor, Tanzan, um professor de filosofia da Universidade Imperial, nunca observava os preceitos. Quando sentia fome, ele comia, e quando sentia vontade de dormir durante o dia, dormia.

Um dia, Usho visitou Tanzan, que estava tomando vinho naquela ocasião, do qual nem mesmo uma gota deveria tocar a língua de um budista.

“Olá, irmão, o saudou Tanzan. “Você não gostaria de uma bebida?”

“Eu nunca bebo!”, exclamou Usho solenemente.

“Alguém que não bebe não é sequer humano”, disse Tanzan.

“Você está me chamando de não-humano somente porque eu não consumo líquidos intoxicantes!”, exclamou Usho com raiva. “Então, se eu não sou humano, o que eu sou?”

“Um Buda”, respondeu Tanzan.

abril 30, 2015

Um Buda

Em Tóquio, no período Meiji, viviam dois destacados instrutores com características opostas. Um deles, Usho, seguia os preceitos do Buda escrupulosamente. Ele nunca bebia bebidas alcoólicas […]
abril 23, 2015

A Verdadeira Reforma

O Mestre devotou sua vida ao estudo do Zen. Um dia soube que seu sobrinho, apesar dos conselhos dos parentes, estava gastando dinheiro com uma cortesã. […]
abril 9, 2015

Sem Trabalho, Sem Comida

Um Mestre Zen se manteve trabalhando com seus Discípulos até os 80 anos de idade, aparando a grama nos jardins, varrendo o chão e podando as […]
abril 2, 2015

O Zen na Vida de um Mendigo

Um Mestre bem conhecido em sua época havia vivido em vários templos e ensinado em várias províncias. O último templo que ele visitou acumulou muitos seguidores […]

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

Em Tóquio, no período Meiji, viviam dois destacados instrutores com características opostas. Um deles, Usho, seguia os preceitos do Buda escrupulosamente. Ele nunca bebia bebidas alcoólicas nem comia após as onze horas da manhã. O outro instrutor, Tanzan, um professor de filosofia da Universidade Imperial, nunca observava os preceitos. Quando sentia fome, ele comia, e quando sentia vontade de dormir durante o dia, dormia.

Um dia, Usho visitou Tanzan, que estava tomando vinho naquela ocasião, do qual nem mesmo uma gota deveria tocar a língua de um budista.

“Olá, irmão, o saudou Tanzan. “Você não gostaria de uma bebida?”

“Eu nunca bebo!”, exclamou Usho solenemente.

“Alguém que não bebe não é sequer humano”, disse Tanzan.

“Você está me chamando de não-humano somente porque eu não consumo líquidos intoxicantes!”, exclamou Usho com raiva. “Então, se eu não sou humano, o que eu sou?”

“Um Buda”, respondeu Tanzan.