Assim é a vida

Certo dia, disse o Mestre a si mesmo: “Algumas pessoas estão mortas mesmo parecendo estar vivas. Da mesma forma, outras estão vivas apesar de parecerem mortas. Como podemos dizer se uma pessoa está viva ou morta?”.
Repetiu tão alto a última frase que o discípulo o ouviu. Ele disse:
– Que homem imbecil! Se as mãos e os pés estiverem gelados, pode estar certo de que a pessoa está morta.
Pouco depois, o Mestre estava cortando lenha na floresta, quando se deu conta de que suas extremidades estavam praticamente congeladas pelo terrível frio que fazia.
“Parece que a morte abateu-se sobre mim. Mortos não cortam lenha; deitam-se respeitosamente, pois não necessitam de nenhum movimento físico”, pensou.
O Mestre deitou-se sob uma árvore.
Uma matilha de lobos, instigada pelos sofrimentos infligidos por aquele rigoroso inverno e imaginando que o homem sob a árvore estivesse morto, atacou o jumento do Mestre e devorou-o.
“Assim é a vida”, refletiu o Mestre; “uma coisa depende da outra. Estivesse eu vivo, vocês não tomariam tais liberdades com meu jumento.”

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

Certo dia, disse o Mestre a si mesmo: “Algumas pessoas estão mortas mesmo parecendo estar vivas. Da mesma forma, outras estão vivas apesar de parecerem mortas. Como podemos dizer se uma pessoa está viva ou morta?”.
Repetiu tão alto a última frase que o discípulo o ouviu. Ele disse:
– Que homem imbecil! Se as mãos e os pés estiverem gelados, pode estar certo de que a pessoa está morta.
Pouco depois, o Mestre estava cortando lenha na floresta, quando se deu conta de que suas extremidades estavam praticamente congeladas pelo terrível frio que fazia.
“Parece que a morte abateu-se sobre mim. Mortos não cortam lenha; deitam-se respeitosamente, pois não necessitam de nenhum movimento físico”, pensou.
O Mestre deitou-se sob uma árvore.
Uma matilha de lobos, instigada pelos sofrimentos infligidos por aquele rigoroso inverno e imaginando que o homem sob a árvore estivesse morto, atacou o jumento do Mestre e devorou-o.
“Assim é a vida”, refletiu o Mestre; “uma coisa depende da outra. Estivesse eu vivo, vocês não tomariam tais liberdades com meu jumento.”