Linha Direta com Deus: Cérebro em alfa

galileu
José Tadeu Arantes – Galileu – Edição 93

O médico Norvan Martino Leite, chefe do serviço de acupuntura do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo, acredita que os benefícios somáticos da oração decorrem de uma redução da atividade mental. “A concentração propiciada pela prece aquieta pouco a pouco a mente. O cérebro entra num ritmo mais lento, caracterizado pelo predomínio das ondas alfa (de 7 a 14 ciclos por segundo). Livre do turbilhão de pensamentos e emoções que perturbam sua atenção, a pessoa torna-se muito mais perceptiva e capaz de responder às necessidades do organismo.”

Outras hipóteses levantadas pelos pesquisadores relacionam-se com a influência exercida sobre o organismo pelos sons das palavras utilizadas nas orações ou pelo poder de sugestão das idéias positivas e das visualizações a elas associadas. Seja qual for a explicação científica, porém, ela jamais esgotará o assunto, porque a oração comporta uma dimensão sobrenatural que escapa à área de competência da ciência. Como lembra o neurologista Esper Cavalheiro, quem reza acredita que está se comunicando com Deus. E isso é algo que a ciência não pode provar, ou negar.

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

José Tadeu Arantes – Galileu – Edição 93

O médico Norvan Martino Leite, chefe do serviço de acupuntura do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo, acredita que os benefícios somáticos da oração decorrem de uma redução da atividade mental. “A concentração propiciada pela prece aquieta pouco a pouco a mente. O cérebro entra num ritmo mais lento, caracterizado pelo predomínio das ondas alfa (de 7 a 14 ciclos por segundo). Livre do turbilhão de pensamentos e emoções que perturbam sua atenção, a pessoa torna-se muito mais perceptiva e capaz de responder às necessidades do organismo.”

Outras hipóteses levantadas pelos pesquisadores relacionam-se com a influência exercida sobre o organismo pelos sons das palavras utilizadas nas orações ou pelo poder de sugestão das idéias positivas e das visualizações a elas associadas. Seja qual for a explicação científica, porém, ela jamais esgotará o assunto, porque a oração comporta uma dimensão sobrenatural que escapa à área de competência da ciência. Como lembra o neurologista Esper Cavalheiro, quem reza acredita que está se comunicando com Deus. E isso é algo que a ciência não pode provar, ou negar.