Meditação para viver melhor

paralela[1]
Márcia Rocha – Paralela

A meditação ajuda a combater as tensões e a manter sua mente em alerta.Ok. Você diz que não tem paciência para ficar sentada, de olhos fechados e totalmente em silêncio durante alguns minutos. Mas é exatamente por isso que a meditação pode ser útil: para ensinar você a deixar um pouco de lado a ansiedade do dia-a-dia. Talvez o que a esteja impedindo de tentar seja a falsa idéia de que os adeptos dessa prática são aéreos, meio desconectados da realidade. Ao contrário! Nada prepara melhor uma pessoa para enfrentar a velocidade vertiginosa da vida moderna. A meditação desenvolve uma habilidade chamada atentividade, que é justamente a capacidade de prestar atenção ao que acontece a nossa volta. “A realidade é determinada pela nossa percepção. Tudo o que você percebe, existe”, diz o pediatra e médico acupunturista Norvan Martino Leite, responsável pela sala de meditação do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo.

Há algum tempo, foi feito um estudo que ilustra bem esse fato: comparou-se um grupo de monges budistas, que meditavam diariamente, com outro, de pessoas que não tinha esse hábito. Eletrodos colocados na cabeça de cada participante foram usados para medir a atividade cerebral. Em seguida, os dois grupos começaram a meditar ao som de um gongo, tocado repetidamente. Enquanto o cérebro dos monges reagiu a todas as gongadas, as ondas cerebrais do outro grupo parou de se alterar depois de algumas batidas. Segundo o Dr. Norvan, esse resultado demonstra que a meditação deixa a mente alerta. “Mesmo em estado meditativo, o cérebro dos monges detectou o som do gongo”, explica.

No livro Meditação Passo a Passo (Ediouro), o autor, Lorin Roche, esclarece muitas dúvidas sobre o assunto. Entre outras coisas, ele fala que a meditação é inata e que seu corpo sempre sabe como fazê-la. Mas, com a correria da vida moderna, a gente acaba se esquecendo como fazer isso. Então, é preciso praticar até que meditar seja algo tão natural quanto tomar banho ou escovar os dentes. Comece com 5 minutos por dia. Não adianta se impor metas muito altas, porque fica impossível cumprí-las depois. “Depois de uns vinte dias de prática já é possível notar melhoras no humor, no sono e na disposição”, diz o pediatra e acupunturista Norvan Martino Leite. Os benefícios servem como estímulo para que a pessoa aumente gradativamente o tempo dedicado à meditação.Como bem diz Lorin Roche em seu livro: quando você aprender a gostar da da meditação, criará mais tempo para ela. De acordo com o Dr. Norvan, duas sessões diárias de vinte minutos, uma de manhã e outra à noite, são suficientes.

Aqui, algumas sugestões para quem está começando:

  • Para não se distrair, procure um lugar silencioso e tranqüilo. Uma curiosidade: segundo uma pesquisa feita nos Estados Unidos, o banheiro é o lugar da casa onde os americanos mais gostam de meditar.
  • Sente-se, mantendo a coluna e o pescoço retos (evite apoiar as costas). Isso é importante para fazer a energia fluir livremente pelo seu corpo. Se estiver sentada em uma cadeira ou sofá, mantenha as pernas paralelas e as plantas dos pés totalmente apoiadas no chão. Se preferir se sentar no chão, fique com as pernas cruzadas na chamada posição de lótus, deixando o pé direito apoiado sobre a perna esquerda e vice-versa. Como essa posição exige uma certa prática, os iniciantes podem se limitar a cruzar as pernas. Também é conveniente cobrir as pernas com uma manta, porque você pode sentir frio durante a meditação.
  • Mantenha os olhos semi-abertos, voltados para o chão, em um ângulo de 45 graus. Pessoas que têm prática conseguem meditar com os olhos fechados sem correr o risco de dormir.
  • Encoste a língua no céu da boca, logo atrás dos dentes. “O objetivo é unir a energia yang das costas com a energia yin da parte da frente do corpo”, diz Norvan Leite.
  • Coloque o dorso da mão direita sobre a palma da esquerda, deixando os dedos em direção oposta e unindo as pontas dos polegares (veja a ilustração da matéria). “Essa posição, chamada de mutra universal, energiza o plexo solar, um importante centro de energia vital”, esclarece Norvan Leite. Deixe as mãos apoiadas suavemente sobre o colo.
  • Preste atenção a sua respiração. Conte dez expirações e reinicie a contagem. Como é impossível evitar que os pensamentos apareçam, essa técnica serve para evitar que a pessoa se concentre neles e se desvie da meditação.

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

Márcia Rocha – Paralela

A meditação ajuda a combater as tensões e a manter sua mente em alerta.Ok. Você diz que não tem paciência para ficar sentada, de olhos fechados e totalmente em silêncio durante alguns minutos. Mas é exatamente por isso que a meditação pode ser útil: para ensinar você a deixar um pouco de lado a ansiedade do dia-a-dia. Talvez o que a esteja impedindo de tentar seja a falsa idéia de que os adeptos dessa prática são aéreos, meio desconectados da realidade. Ao contrário! Nada prepara melhor uma pessoa para enfrentar a velocidade vertiginosa da vida moderna. A meditação desenvolve uma habilidade chamada atentividade, que é justamente a capacidade de prestar atenção ao que acontece a nossa volta. “A realidade é determinada pela nossa percepção. Tudo o que você percebe, existe”, diz o pediatra e médico acupunturista Norvan Martino Leite, responsável pela sala de meditação do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo.

Há algum tempo, foi feito um estudo que ilustra bem esse fato: comparou-se um grupo de monges budistas, que meditavam diariamente, com outro, de pessoas que não tinha esse hábito. Eletrodos colocados na cabeça de cada participante foram usados para medir a atividade cerebral. Em seguida, os dois grupos começaram a meditar ao som de um gongo, tocado repetidamente. Enquanto o cérebro dos monges reagiu a todas as gongadas, as ondas cerebrais do outro grupo parou de se alterar depois de algumas batidas. Segundo o Dr. Norvan, esse resultado demonstra que a meditação deixa a mente alerta. “Mesmo em estado meditativo, o cérebro dos monges detectou o som do gongo”, explica.

No livro Meditação Passo a Passo (Ediouro), o autor, Lorin Roche, esclarece muitas dúvidas sobre o assunto. Entre outras coisas, ele fala que a meditação é inata e que seu corpo sempre sabe como fazê-la. Mas, com a correria da vida moderna, a gente acaba se esquecendo como fazer isso. Então, é preciso praticar até que meditar seja algo tão natural quanto tomar banho ou escovar os dentes. Comece com 5 minutos por dia. Não adianta se impor metas muito altas, porque fica impossível cumprí-las depois. “Depois de uns vinte dias de prática já é possível notar melhoras no humor, no sono e na disposição”, diz o pediatra e acupunturista Norvan Martino Leite. Os benefícios servem como estímulo para que a pessoa aumente gradativamente o tempo dedicado à meditação.Como bem diz Lorin Roche em seu livro: quando você aprender a gostar da da meditação, criará mais tempo para ela. De acordo com o Dr. Norvan, duas sessões diárias de vinte minutos, uma de manhã e outra à noite, são suficientes.

Aqui, algumas sugestões para quem está começando:

  • Para não se distrair, procure um lugar silencioso e tranqüilo. Uma curiosidade: segundo uma pesquisa feita nos Estados Unidos, o banheiro é o lugar da casa onde os americanos mais gostam de meditar.
  • Sente-se, mantendo a coluna e o pescoço retos (evite apoiar as costas). Isso é importante para fazer a energia fluir livremente pelo seu corpo. Se estiver sentada em uma cadeira ou sofá, mantenha as pernas paralelas e as plantas dos pés totalmente apoiadas no chão. Se preferir se sentar no chão, fique com as pernas cruzadas na chamada posição de lótus, deixando o pé direito apoiado sobre a perna esquerda e vice-versa. Como essa posição exige uma certa prática, os iniciantes podem se limitar a cruzar as pernas. Também é conveniente cobrir as pernas com uma manta, porque você pode sentir frio durante a meditação.
  • Mantenha os olhos semi-abertos, voltados para o chão, em um ângulo de 45 graus. Pessoas que têm prática conseguem meditar com os olhos fechados sem correr o risco de dormir.
  • Encoste a língua no céu da boca, logo atrás dos dentes. “O objetivo é unir a energia yang das costas com a energia yin da parte da frente do corpo”, diz Norvan Leite.
  • Coloque o dorso da mão direita sobre a palma da esquerda, deixando os dedos em direção oposta e unindo as pontas dos polegares (veja a ilustração da matéria). “Essa posição, chamada de mutra universal, energiza o plexo solar, um importante centro de energia vital”, esclarece Norvan Leite. Deixe as mãos apoiadas suavemente sobre o colo.
  • Preste atenção a sua respiração. Conte dez expirações e reinicie a contagem. Como é impossível evitar que os pensamentos apareçam, essa técnica serve para evitar que a pessoa se concentre neles e se desvie da meditação.