Reclamação

Conta-se que havia certo mosteiro Zen que tinham regras muito rígidas. Os monges seguiam um estrito voto de silêncio e havia uma pequena exceção a esta regra. A cada dez anos os monges tinham permissão de falar apenas duas palavras.
Após seus primeiros dez anos no mosteiro, um jovem monge foi falar como o monge superior.
“Passaram-se dez anos. Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?” perguntou o monge superior.
“Cama dura”, disse o jovem.
“Entendo”, respondeu o monge superior.
Dez anos depois, o monge retornou à sala do monge superior.
“Passaram-se mais dez anos. Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?”
“Comida ruim”, disse o monge.
“Entendo”, respondeu o superior.
Mais dez anos se passou e o monge mais uma vez encontrou-se com o seu superior.
“Depois de três décadas, quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?”, perguntou o superior.
“Eu desisto”, disse o monge.

“Bem, eu entendo o motivo. Você não fez outra coisa, nos últimos trinta anos, a não ser reclamar”, disse o monge superior.

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

Conta-se que havia certo mosteiro Zen que tinham regras muito rígidas. Os monges seguiam um estrito voto de silêncio e havia uma pequena exceção a esta regra. A cada dez anos os monges tinham permissão de falar apenas duas palavras.
Após seus primeiros dez anos no mosteiro, um jovem monge foi falar como o monge superior.
“Passaram-se dez anos. Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?” perguntou o monge superior.
“Cama dura”, disse o jovem.
“Entendo”, respondeu o monge superior.
Dez anos depois, o monge retornou à sala do monge superior.
“Passaram-se mais dez anos. Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?”
“Comida ruim”, disse o monge.
“Entendo”, respondeu o superior.
Mais dez anos se passou e o monge mais uma vez encontrou-se com o seu superior.
“Depois de três décadas, quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?”, perguntou o superior.
“Eu desisto”, disse o monge.

“Bem, eu entendo o motivo. Você não fez outra coisa, nos últimos trinta anos, a não ser reclamar”, disse o monge superior.