Tédio

No caminho, encontrei um mendigo e me aproximei para lhe dar algum dinheiro. Ele, no entanto, tomou minha moeda e, com um olhar de desprezo, jogou-a no mato.
– Não preciso do seu dinheiro – rosnou.
– Por que você não me dá o seu tédio?
O que eu podia dizer? Quando dei por mim, estava respondendo que precisava antes consultar minha esposa. E fui embora depressa antes que ele me devastasse ainda mais.
Havia outras coisas sobre as quais eu planejara meditar em meu retiro, mas as palavras do mendigo continuavam me vindo à mente:
-“Por que você não me dá o seu tédio?”.
-Não, isso não! Preciso falar antes com minha esposa. Será que eu não poderia lhe dar alguma outra coisa? Você não entende a minha situação. Não posso.
Por quarenta dias eu resisti.
No quadragésimo dia, levantei-me, deixei o mosteiro e joguei o meu tédio em seu colo.
Sabe o que ele disse?

COMO VOCÊ ESTÁ
SE SENTINDO HOJE?


AGENDE UMA CONSULTA
(11) 3171-0900

Rua Artur Frazão, 66 - Jardins - São Paulo/SP

No caminho, encontrei um mendigo e me aproximei para lhe dar algum dinheiro. Ele, no entanto, tomou minha moeda e, com um olhar de desprezo, jogou-a no mato.
– Não preciso do seu dinheiro – rosnou.
– Por que você não me dá o seu tédio?
O que eu podia dizer? Quando dei por mim, estava respondendo que precisava antes consultar minha esposa. E fui embora depressa antes que ele me devastasse ainda mais.
Havia outras coisas sobre as quais eu planejara meditar em meu retiro, mas as palavras do mendigo continuavam me vindo à mente:
-“Por que você não me dá o seu tédio?”.
-Não, isso não! Preciso falar antes com minha esposa. Será que eu não poderia lhe dar alguma outra coisa? Você não entende a minha situação. Não posso.
Por quarenta dias eu resisti.
No quadragésimo dia, levantei-me, deixei o mosteiro e joguei o meu tédio em seu colo.
Sabe o que ele disse?